segunda-feira, 18 de outubro de 2010

O fogo, um desconhecido do homem moderno.



 O fogo, este elemento de vital importância para a sobrevivência do homem na Terra, é na verdade um grande desconhecido da maioria das pessoas. Graças às facilidades da vida moderna, poucas pessoas ainda detém o conhecimento sobre o funcionamento básico do fogo, no mundo natural. Isto é facilmente comprovado pela dificuldade geral em acender uma lareira ou mesmo uma prosaica churrasqueira. Um número impressionante de pessoas falha miseravelmente na tentativa de acender o fogo ao iniciar um churrasco mesmo tendo à disposição álcool e fósforos! Daí então quando transportamos este mesmo homem para a selva, o desafio de acender uma fogueira com ainda menos recursos parece impossível. Mas, para seus antepassados era apenas mais uma tarefa de sua rotina diária.

A proposta de alguns aventureiros, e eu me incluo nesta categoria, é a de resgatar alguns conhecimentos e práticas antigas para estreitar os laços com a natureza, compreendendo melhor o funcionamento deste elemento. A sensação de fazer fogo sem precisar de um isqueiro é indescritível, e só quem já acendeu uma fogueira desta maneira, debaixo de chuva e vento, sabe o quanto é gratificante.

Se você acha que nunca vai desejar deixar seu zippo em casa, não se preocupe, este post ainda assim será útil para você. Porque ele trata basicamente do fogo, seja de que maneira comece. O texto aborda principalmente fogueiras, que usam materiais diversos encontrados na natureza. Uma churrasqueira usa carvão, que nada mais é que madeira pré queimada, ou seja, mesmos princípios com menos etapas. Dito isto:

Procure estudar o mecanismo do fogo. Entenda como ele se alimenta e de que maneira podemos estimulá-lo ou arruiná-lo.

O básico: Fogo precisa de calor, combustível e oxigênio para existir. Montar uma pilha compacta de lenha(ou carvão) só abafa o fogo, enquanto uma estrutura organizada que permita a circulação do ar leva a uma chama constante e forte. Por outro lado, se a região tiver ventos demasiadamente fortes, acender a fogueira em uma canaleta ou buraco pode ser uma boa alternativa. Chão molhado ou mesmo úmido atrapalha porque a lenha tende a encharcar. Neste caso, construa uma base onde a fogueira será montada. Eventualmente a própria madeira da base queimará, e nada será desperdiçado.

 O segredo do sucesso é a preparação correta para se fazer qualquer fogo. É preciso ter todo o material a ser usado na fogueira à mão antes de riscar o fósforo, ou fazer a primeira faísca. É muito comum um iniciante se esforçar para obter a chama inicial, e após conseguir se desapontar por demorar tempo demais correndo atrás de material para alimentar o fogo. Este é um erro primário que deve ser evitado. E também não adianta querer acender troncos, ou mesmo gravetos grandes na esperança de que se incendeiem. É aí também que falham os que procuram acender uma churrasqueira começando pelas toras de carvão. O fogo começa bem pequeno, com os menores e mais frágeis materiais que se pode encontrar. Costumo chamar de ninho de fogo, porque tendo a criar algo semelhante a um ninho de passarinho onde vai nascer a brasa(uso método de centelha, tema de futuro post) que dará origem ao fogo propriamente dito. O material usado deverá estar bem seco para maximizar as chances de sucesso. Depois acrescente gravetos bem miúdos, da grossura de palitos de fósforo, passe para gravetos da grossura de um lápis, depois adicione galhos da grossura de um dedão, e então pode adicionar material maior, embora eu não costume usar nada muito espesso. Em caso de coletar galhos grandes, é sempre bom partir em 4 no sentido longitudinal, desta maneira a madeira mais seca do centro fica exposta e pega fogo mais depressa. Sempre junte mais material do que acredita necessário para o fogo, pois na hora não haverá necessidade de correria para encontrar mais combustível. Uma dica importante: Ao caminhar pela trilha, sempre que identificar bom material para acender fogo guarde-o, pois mais tarde, no local onde pretende acender a fogueira este pode não estar disponível(e frequentemente não está).


Alguns materiais naturais bons para começar um fogo são as fibras de coco, cascas resinosas de algumas árvores, sementes envoltas em penugem algodoada, capim seco, folhas secas pulverizadas, pó de madeira roída por insetos, entre outros. Materiais levados para o mato também têm seu valor. Palha de aço, algodão embebido em parafina ou vaselina, tecido carbonizado, bastões de madeira prensada e tabletes de álcool sólido são eficientes e baratos. Madeiras e folhas verdes queimam mal e produzem muita fumaça, sendo bons no entanto para sinalização. Tente pesquisar as madeiras de sua região, pois algumas queimam gerando pouco calor, enquanto outras geram boas chamas, requerendo menos interação.


Cuidado: Se for usar bambu como combustível, rache ou faça um corte em cada seção, pois ele explode se exposto fechado ao fogo. Lembre-se de escolher um local onde não haja a possibilidade do fogo se alastrar e ficar fora de controle, pois esta é a causa da maior parte dos incêndios em áreas florestais.

Com a prática, um trilheiro aprende de quanta lenha precisa para manter o fogo aceso durante o tempo necessário. Evite fazer uma fornalha quando somente precisar de algumas brasas, é desperdício de madeira e de sua energia ao procurá-la. Um ditado nativo norte americano sintetiza a diferença entre o uso de fogueiras entre os nativos e o homem branco: "O pele vermelha acende um fogo para se aquecer, o homem branco acende um fogo para aquecer o céu."

Bom treinamento, e boa sorte!

Te vejo na trilha!

8 comentários:

  1. mto bom cara!!!

    isso ae!!!!

    show de bolra esse post!!!

    ResponderExcluir
  2. O detalhe interessante é a foto. Foi tirada hoje, estava abrigado da chuva em uma pedra grande e apesar de ter dado um certo trabalho a fogueira funcionou. :)

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Esse tipo de erro,com o fogo, principalmente deixar o fogo abafado, tenho visto com frequencia. Muito bom o artigo, parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Pois é Magalhães, se entulhar a fogueira não funciona. :)

    São habilidades que com a experiência vão se aperfeiçoando.

    Obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir
  5. caro miranda,

    uma boa dica pra se produzir uma isca "quebra-galho" é a raspa de madeira: basicamente vc raspa o facão perpendicularmente à superfiície da madeira, "barbeando-a", e vc tem uma série de folhas e fibras fininhas... dá pra fazer o ninho com elas facilmente.
    não é uma isca muito boa pra pederneira como a paina, mas funciona... como quebra-galho, hehehe...

    grande abraço,
    samuel perito

    PS: to esperando vc vir pra ibitipoca, hehehe...

    ResponderExcluir
  6. Como sempre, ótimas dicas..

    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Valeu Samuca. Segunda feira eu fiz isso, com o pouco de material seco que encontrei, mas ainda não postei sobre meu dia de treinamento na chuva.

    Ibitipoca está nos meus planmos para o mês que vem, vamos acertar uma data.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado pela força Nelson, um abraço.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...